Posts

, , , ,

Outubro Rosa

No mês em que alertamos quanto à prevenção do câncer de mama, é importante salientarmos quais são os principais fatores de risco para a doença: a idade (> 50 anos), história familiar (primeiro ou segundo grau direto) ou pessoal: ausência de filhos, primeira gravidez após os 30 anos, uso de hormônios externos, consumo de álcool, doença mamária prévia, radiação torácica e obesidade.

O câncer de mama representa o principal tipo de câncer na mulher, mas apresenta um bom índice de cura quando diagnosticado em sua fase precoce.

Nem sempre o câncer de mama aparece como uma massa ou tumoração palpável. Outros sintomas menos frequentes constituem o endurecimento mamário, a presença de secreção pelo mamilo e o aparecimento de gânglios axilares. Geralmente o tumor se inicia na mama, pode atingir a axila e até mesmo aparecer em outros órgãos, fato que chamamos de metástases. A extensão do tumor determina a forma de tratamento.

outubro

Prevenção

A principal maneira de se prevenir o câncer de mama, além do auto exame, é a realização da mamografia. Esse exame favorece o diagnóstico precoce e a elevação nas taxas de cura. Assim sugere-se a realização do exame de mamografia de maneira regular (anualmente) a partir dos 40 anos de idade.

, ,

Preservação da fertilidade

O câncer de mama é o tipo de câncer mais frequente nas mulheres e cada vez acomete mais mulheres jovens.

Muitos dos esquemas de quimioterapia usados para o tratamento desse tipo de câncer podem levar à esterilidade. Alguns quimioterápicos são tóxicos para os ovários e podem induzir à uma falência ovariana prematura (menopausa precoce). Para garantir a preservação da fertilidade em mulheres jovens com câncer de mama existe a técnica de congelamento dos óvulos. Além da grande possibilidade de superar o câncer quando a doença é detectada precocemente esse diagnóstico não deve impedir os planos de futuro e inclusive é bom ter esta perspectiva para encarar o tratamento com mais forças.

preservação

A Preservação da fertilidade deve ser pensada sempre com orientação e apoio do oncologista, que avalia as possibilidades e tempo disponível antes de iniciar o tratamento. Existem várias alternativas para as mulheres, são elas: Vitrificação de óvulos, criopreservação do córtex ovariano e transposição de ovários.  A mais utilizada é a Vitrificação de óvulos.

A Vitrificação de óvulos permite que os óvulos maduros conseguidos após a estimulação ovariana sejam criopreservados para utilização posterior quando a paciente tiver a alta do oncologista com o mesmo prognóstico que se tinha no momento de serem vitrificados. Devido à ausência de formação de cristais de gelo, as taxas de sobrevivência dos óvulos são elevadas, permitindo postergar a maternidade para após o final do tratamento para o câncer.

A criopreservação do córtex ovariano é outra técnica de preservação da fertilidade que têm conseguido diversos nascimentos a nível mundial. Esta técnica permitiria restabelecer a função ovariana, com o que, inclusive, a possibilidade de conseguir gestações espontâneas, além disso, ao ter níveis hormonais normais, se evita efeitos secundários próprios de uma menopausa precoce (osteoporose, calores, risco cardiovascular).

A transposição de ovários é uma técnica de preservação da fertilidade que consiste em afastar os ovários do campo de irradiação para evitar a exposição direta dos mesmos à radioterapia, e evitar assim o dano considerável que esta pode provocar nas gônadas quando se encontram no campo de radiação.