Posts

, ,

Estresse e Infertilidade

A inter-relação entre estresse e fertilidade vem sendo sugerida por dados da literatura científica há algum tempo. Esta semana foi publicada uma pesquisa na revista médica Human Reproduction que encaminha uma resposta para esta questão. O objetivo do estudo foi avaliar esta possível associação utilizando um marcador de estresse em mulheres: a enzima alfa-amilase, coletada da saliva de mulheres que estavam tentando engravidar. O fato desta enzima aumentar nas situações de estresse, e poder ser detectada na saliva, torna-a ideal para uso em estudos. Além disso, trabalhos recentes sugerem que os estresses psicológicos produzem um aumento mais pronunciado na alfa-amilase salivar, quando comparado com os estresses físicos.

As mulheres coletaram saliva para a dosagem do biomarcador por duas vezes. A primeira, quando o estudo iniciou e a segunda, no primeiro ciclo menstrual do período do estudo. Os casais foram acompanhados por 12 meses para observar se houve concepção. Os pesquisadores encontraram que as mulheres com a maior concentração da alfa-amilase na saliva tiveram uma probabilidade 29% menor de engravidar, quando comparadas com as mulheres com a menor concentração da enzima. Esta redução de fecundidade, representa um risco 2 vezes maior de infertilidade entre essas mulheres.

O mecanismo exato pelo qual o estresse afetaria a fecundidade não ficou esclarecido pelo trabalho.

, , ,

Dormir mal afeta a fertilidade masculina

De acordo com um novo estudo publicado na revista científica Medical Science Monitor, a forma como você dorme e a duração do sono, não apenas afetam o seu relacionamento, mas também têm uma influência sobre a sua fertilidade.

Os homens que dormem menos de seis horas por noite, que vão dormir após a meia-noite, ou que dormem mais de nove horas todos os dias, têm uma probabilidade maior de apresentar um esperma de baixa qualidade.

Esse estudo mostrou que esses homens apresentaram reduções significativas na contagem e mobilidade dos espermatozoides e taxas de sobrevivência mais baixas. Os pesquisadores analisaram também a produção de anticorpos anti espermatozóides no sêmen e encontraram uma presença muito maior desses anticorpos nos homens que não dormiram o suficiente. Estes anticorpos surgem naturalmente e podem causar problemas de fertilidade.

Não pense que você pode “colocar as coisas no lugar” dormindo durante o final de semana inteiro, pois os homens que dormiram mais de nove horas de sono também apresentaram uma redução na saúde geral de seus espermatozoides.

Novos estudos são necessários para entender as possíveis explicações e avaliar se a qualidade do esperma melhora, após intervenções para restaurar os padrões de sono. Nos casos em que for necessário, precisamos alertar os homens para que melhorem seu estilo de vida e possam proteger a sua fertilidade.

 

,

Tabagismo também é responsável por causar infertilidade

No Dia Mundial de Combate ao Fumo, população deve ser alertada a respeito dos efeitos nocivos do cigarro ao aparelho reprodutor, tanto do homem quanto da mulher

No próximo dia 31 de Maio é comemorado o Dia Mundial de Combate ao Fumo. Todos os fumantes sabem – ou deveriam saber – que o cigarro contém mais de 4000 componentes químicos, incluindo 43 carcinogênicos (que podem causar câncer). As pessoas em geral também têm consciência de que ele é responsável por diversos danos à saúde, principalmente por causar câncer no pulmão e doenças respiratórias. Já, quando se trata dos efeitos causados à fertilidade, muitos não sabem das consequências que o hábito de fumar traz aos casais que desejam ter filhos. Estudos recentes na área comprovam, por exemplo, que 13% da infertilidade feminina está relacionada ao tabagismo.

De acordo com Dra Silvana Chedid há diversas complicações que podem resultar em pacientes inférteis e que estão relacionadas ao tabagismo:

  • Nas mulheres: o cigarro é responsável por mudanças no ciclo reprodutivo, por alterações hormonais, por diminuir a reserva ovariana, pela diminuição das taxas de sucesso em tratamento de reprodução assistida e, ainda, pode ser prejudicial durante toda a gestação.
  • Nos homens: o fumo altera os sistemas de defesa dos espermatozoides contra oxidação, além de poder modificar parâmetros avaliados em espermogramas.

“O cigarro também tem um papel mutagênico, ou seja, é capaz de realizar mutações tanto no óvulo como no espermatozoide”, afirma Dra. Silvana Chedid.

O tabagismo está também ligado à perda gestacional, tanto em gravidez espontânea quanto na concepção após ciclos assistidos [procedimentos que são necessários em um tratamento de reprodução assistida]. Mulheres que fumam mais de 20 cigarros por dia têm quase quatro vezes mais chances de terem uma gravidez ectópica – que ocorre fora da cavidade uterina.

Outras pesquisas demonstram que os homens fumantes também podem ser bastante afetados: “é possível que haja redução na densidade, mobilidade e, até mesmo, na morfologia dos espermatozoides”, explica a doutora.

,

Conheça alguns hábitos que podem ajudar a prevenir a infertilidade

Planejar uma gravidez é uma decisão que pode demorar. Para muitos casais, é preciso tempo para se estabelecer financeiramente, profissionalmente e até emocionalmente. Além disso, a biologia dos dois tem que jogar a favor. Alguns hábitos são essenciais para não comprometer a fertilidade. Manter o peso adequado através de uma boa alimentação, praticar atividades físicas e não fumar são fatores que contribuem para uma boa qualidade do óvulo e do espermatozóide. A prevenção de doenças sexualmente transmissíveis também é importante pois evita a formação de aderências ou obstrução nas trompas. Dosagens hormonais avaliam a reserva hormonal e o espermograma mostra se está tudo normal com o homem.

Médicos ressaltam que o organismo de cada mulher funciona de uma forma. Mas, se em um ano de relações sexuais sem uso de forma de anticoncepção a mulher, mais jovem que 35 anos, não engravidar, pode haver algum problema e é preciso procurar um médico. Após os 35, pode levar seis meses antes de buscar ajuda. A partir dos 40, o auxílio é essencial assim que decidir tentar.

,

Roedores dão à luz com ovários impressos em 3D

Depois de extrair os ovários de camundongos fêmeas inférteis, implantando em seu lugar uma prótese feita em impressora 3D, um grupo de cientistas conseguiu fazer com que os animais dessem à luz filhotes saudáveis e férteis.

De acordo com os autores do estudo, publicado neste mês na revista Nature Communications, o objetivo do projeto é desenvolver ovários bioprotéticos que possam ajudar a restaurar a fertilidade e a produção de hormônios em mulheres que passaram por tratamento de câncer ou que tenham falência ovariana prematura (menopausa precoce).

O grupo liderado por cientistas da Universidade do Noroeste, em Chicago (Estados Unidos), produziu os ovários sintéticos montados na impressora 3D, uma engenhosa estrutura feita de hidrogel.

Depois de implantada na cavidade do ovário extraído, a estrutura impressa recebeu dezenas de folículos, pequenas bolsas que contêm os ovócitos, ou óvulos imaturos. Os folículos puderam aderir ao ovário sintético graças à sua estrutura porosa.

Segundo os cientistas, nos camundongos que tiveram o ovário cirurgicamente removido, os implantes foram capazes de reter com eficiência o folículo implantado e, em uma semana, o ovário sintético já estava vascularizado.
Com o desenvolvimento completo dos folículos garantido pela prótese, os óvulos foram naturalmente liberados pelos poros construídos na estrutura de hidrogel, como acontece em uma ovulação natural.

Depois de ovular, sete camundongos fêmea com os ovários sintéticos foram então fecundados naturalmente. Três deles recuperaram a fertilidade e deram à luz filhotes.

De acordo com os cientistas, a quimioterapia e as altas doses de radiação utilizadas no tratamento do câncer pode destruir os ovócitos humanos, levando ao risco de infertilidade e de menopausa precoce. Embora seja possível restaurar a fertilidade dessas mulheres, um implante ajudaria as que não tiveram o tecido do ovário congelado e estocado durante a infância.

Os cientistas alertam que apesar de ser fisiologicamente suficiente para permitir uma gravidez, o método por enquanto ainda só é aplicável a camundongos.

, , ,

Microcirurgia reprodutiva

Laqueadura ou ligadura tubária é um método anticoncepcional (método para prevenir a gestação) no qual as tubas (ou trompas) são cirurgicamente amarradas, cortadas ou queimadas para prevenir a passagem dos óvulos dos ovários para o útero.

Reanastomose tubária ou reversão de laqueadura tubária é uma cirurgia na qual se retira a parte danificada das trompas, desobstruindo a passagem no interior das trompas e restabelecendo com isto a fertilidade da paciente.

Esta cirurgia pode ser uma opção para as mulheres que, por várias razões, desejam engravidar novamente após serem submetidas a laqueadura tubária.

Qual a chance de sucesso?

O sucesso desta cirurgia depende de vários fatores:

– O comprimento e a vitalidade dos segmentos de trompas a serem unidos;
– A habilidade do micro-cirurgião (cirurgião com experiência em micro-cirurgia);
– A idade da mulher no momento da cirurgia para reversão;
– O método utilizado para laqueadura tubária;
– Quantidade de tecido de cicatrização na região da cirurgia;
– Qualidade do espermograma do parceiro e presença de outros fatores de infertilidade.

A obtenção de permeabilidade tubária, ou seja, desobstrução das trompas gira em torno de 70% a 80%. Entretanto, nem todas estas mulheres conseguem engravidar, pois o funcionamento das trompas pode não estar adequado ou podem existir outros fatores que dificultem a gestação. As taxas de gestação após reanastomose tubária são de 50 a 60%.

O que a cirurgia envolve?

Esta cirurgia pode ser realizada por laparotomia (cirurgia tradicional com um corte transversal logo abaixo da linha dos pêlos pubianos, semelhante ao de uma cesárea) ou por laparoscopia. Geralmente, é realizada dentro de 2 a 3 horas, com anestesia geral. Mesmo quando se opta pela cirurgia tradicional, é realizada uma laparoscopia antes da cirurgia para avaliar a possibilidade de realização da reanastomose. Se for possível, pode-se usar um microscópio ou lupa para melhor visualização no momento de conectar as pequenas partes das trompas. São usados fios extremamente delicados para unir estas partes.
Normalmente a paciente pode ir para casa após um ou dois dias de internação. Após a cirurgia, o médico vai prescrever medicação para dor e outras instruções específicas de acordo com a necessidade. A maioria das pacientes retorna às suas atividades normais dentro de 2 semanas.

Quais são os riscos?

Os riscos são raros, mas como em qualquer cirurgia, incluem um potencial risco de complicações anestésicas e infecção. Após uma reversão de laqueadura tubária, o risco de uma gestação ectópica (gestação que ocorre na própria trompa) aumenta em cinco vezes, atingindo taxas de até 5% dosa casos.

Você é candidata para esta cirurgia (Reversão de laqueadura tubária)?

Você é candidata a cirurgia se não existir nenhuma contra-indicação médica para sua gestação, se as condições de sua trompa forem adequadas para serem unidas e o espermograma do marido (parceiro) for normal. Lembre-se de que as chances de sucesso diminuem com o passar da idade.

O que é necessário antes da cirurgia?

História médica e exame físico;
Espermograma do marido (parceiro);
Histerosalpingografia (Raio-X que mostra o útero e trompas).
Podem se requisitados exames adicionais conforme cada caso em especial

, ,

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

Esta é uma técnica de fertilização in vitro na qual cada espermatozóide é criteriosamente selecionado com o auxílio de um poderoso microscópio que tem grande precisão (equipamento para micromanipulação), e depois injetado com uma micropipeta dentro de cada óvulo maduro. O processo é realizado no laboratório no dia da captação dos óvulos. Quando o ICSI é recomendado?

Este procedimento é indicado principalmente quando há infertilidade por fator masculino severo (mínima quantidade de espermatozóides), condição que pode requerer a coleta direta dos espermatozóides dos testículos ou epidídimos, ou casais que tenham tido baixas taxas de fertilização em FIVs anteriores.

A técnica foi desenvolvida na Bélgica e a Dra Silvana Chedid participou da equipe envolvida nesse grande avanço durante sua especialização na Universidade Livre de Bruxelas.

Existem algumas técnicas de coleta dos espermatozóides dos epidídimos e dos testículos. A coleta pode ser feita por punção percutânea, biópsia ou microcirurgia dos testículos nos casos dos homens azoospérmicos (que tem ausência total de espermatozoides). Na maior parte dos casos porém, quando há espermatozoides presentes no ejaculado, mesmo que em quantidade reduzida, esses procedimentos não são necessários, fazendo-se a coleta por masturbação da mesma maneira que a coleta para inseminação.

Todo o resto do processo é igual ao da fertilização in vitro. A diferença é no modo de fertilização (micromanipulação dos gametas no laboratório).

, ,

Endometriose: diagnóstico precoce e atenção multidisciplinar são fundamentais

O tratamento da endometriose depende de alguns fatores: estágio da doença, local onde a endometriose se instalou, sintomas e desejo de engravidar

A endometriose afeta cerca de seis milhões de brasileiras. Trata-se do crescimento, fora do útero, do endométrio – tecido que recobre a superfície interna do útero. Em estágios avançados, a doença chega a ser bastante incapacitante.

Sendo assim, diagnóstico precoce e atendimento multidisciplinar são requisitos fundamentais para melhor abordagem terapêutica. O tecido endometrial pode crescer na cavidade pélvica e infiltrar ovários (endometriomas), trompas, regiões retrocervical e retrouterina (posteriores ao colo e corpo do útero), vagina, intestino, bexiga e parede abdominal.

O endométrio que está fora da cavidade uterina também é sujeito aos efeitos hormonais ao longo do ciclo menstrual, podendo provocar alterações inflamatórias nesses locais e promover aderências entre os órgãos, além de cólicas menstruais, dor pélvica e dor à relação sexual. A endometriose tem tratamento e quanto mais cedo for iniciado melhor o prognóstico reprodutivo da mulher

, ,

Dra Silvana Chedid alerta que Clamídia pode causar infertilidade em homens e mulheres

A prática sexual sem o uso do preservativo pode ser um risco para a fertilidade. A bactéria Clamídia causa uma doença sexualmente transmissível (DST) que na maior parte das vezes age sem provocar sintomas e que pode afetar a fertilidade futura, prejudicando a capacidade reprodutiva de homens e mulheres.

Atualmente, a Clamídia é responsável por, aproximadamente, 15% dos casos de infertilidade feminina e 10% dos casos de infertilidade masculina, segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Além de provocar a infertilidade a Clamídia está associada a outros possíveis problemas gestacionais, como aborto, a morte do feto ainda no útero da mãe (natimorto) e infecção intrauterina. O diagnóstico pode ser feito através da consulta de rotina ao ginecologistas, associada à coleta de exame de secreção vaginal para identificação dessa bactéria. O tratamento consiste no uso de antibiótico prescrito pelo médico para a mulher e para seu parceiro.

,

Casais Sorodiscordantes

 

Sabemos que o vírus do HIV tem alta prevalência em casais em idade reprodutiva e muitos desses casais são soro discordantes, ou seja, um deles é portador do vírus e ou outro não. Nesses casos, para terem seus filhos livres de contaminação pelo vírus, esses casais precisarão de auxílio e tratamento.

No caso da mulher, o tratamento deverá ser feito associado ao uso de um antirretroviral durante toda a gestação. Já quando o homem é soropositivo, é possível lançar mão de tecnologias de lavagem e preparo do sêmen que separam os espermatozoides do vírus, esclarece a Dra Silvana Chedid, diretora da clínica Chedid Grieco de Medicina Reprodutiva