Posts

, , , ,

Mamães diabéticas e os cuidados

A gravidez da mulher diabética

As futuras mamães precisam de uma alimentação balanceada e de alguns cuidados, como ter um controle muito rigoroso dos níveis de açúcar no sangue durante os 9 meses de gestação para evitar possíveis complicações.

É preciso elaborar uma dieta pobre em carboidratos simples (açúcar branco, pão macarrão, biscoito, batata) e dar preferência aos carboidratos complexos (derivados de vegetais, leguminosas e cereais integrais). A absorção deste segundo tipo de carboidrato é mais lenta, permitindo melhor controle da glicemia.

diabetes

Cuidados que a diabética deve ter durante a gravidez

• Consultar o médico a cada 15 dias;
• Registrar diariamente os valores de açúcar no sangue, por quantas vezes o médico indicar;
• Tomar todos os remédios de acordo com a orientação do médico;
• Realizar a prova da insulina 4 vezes ao dia;
• Fazer o exame da curva glicêmica a cada mês;
• Realizar o exame do fundo do olho a cada 3 meses;
• Ter uma alimentação equilibrada pobre em açúcares;
• Fazer caminhadas regularmente, principalmente após as refeições.

Procure comer:

• Muitas frutas – de todo tipo, sucos, frutas secas;
• Muitas verduras e legumes (folhas, hortaliças, leguminosas…);
• Nozes, castanhas, amêndoas;
• Queijo branco (minas, ricota), leite desnatado, mel;
• Pão integral, aveia, germe ou farelo de trigo, fibras em geral;
• Tome bastante água.

Evite comer:

• Enlatados, condimentos (catchup, mostarda, maionese), coisas gordurosas,
• Carnes pesadas, carnes cruas,
• Refrigerantes, refrescos e bebidas industrializadas.

Não consuma:

• Bebidas Alcoólicas
• Cigarro

, , ,

Amamentar durante mais tempo reduz risco de diabetes

As mulheres que amamentam durante seis meses ou mais tempo têm menos probabilidade de vir a ter diabetes do tipo 2

O risco de diabetes do tipo 2 nestas mulheres cai para 47% quando comparado com o de mulheres que nunca amamentaram. As mulheres que amamentaram por um período inferior a seis meses têm menos 25% de probabilidade de vir a ter diabetes.

amamentação

O estudo, publicado na revista médica JAMA Internal Medicine e realizado por uma equipe científica da organização de cuidados médicos norte-americana Kaiser Permanente, partiu de uma amostra de 1.238 mulheres que não tinham inicialmente diabetes.

A equipe científica teve em consideração fatores de risco, como obesidade, estilos de vida ou antecedentes familiares de diabetes, e resultados perinatais.

, , ,

Como o diabetes compromete a fertilidade

O sistema reprodutivo de homens e mulheres tem uma engenharia maravilhosa. Mas, para funcionar bem, depende de um equilíbrio entre a mensagem hormonal e a performance dos órgãos reprodutores.

Doenças crônicas, como o diabetes, podem impactar o bom funcionamento e resultar em dificuldade para gerar um bebê.

 O diabetes tipo 2 geralmente está associado a obesidade e resistência à insulina. Essas duas condições podem causar deficiência hormonal na mulher, assim como ciclo menstrual irregular e infertilidade. Já o diabetes tipo 1, que normalmente acomete pacientes jovens, ocorre quando as células no pâncreas que produzem insulina são destruídas por anticorpos.

Esse processo também pode se estender a outros órgãos endócrinos, incluindo os ovários, e impossibilitar a gravidez.

Diabetes

De acordo com a doutora Silvana Chedid, especialista em Reprodução Humana e diretora da clínica Chedid Grieco Medicina Reprodutiva, as mulheres que não mantêm o diabetes bem controlado nas primeiras semanas de gravidez têm entre duas e quatro vezes mais chances de gerar uma criança com defeitos, estão mais sujeitas a hemorragias e partos prematuros.

Mas, não é só a mulher que enfrenta problemas em relação à sua fertilidade. Os homens também são afetados pela doença. “Testes de DNA com espermatozóides de pacientes diabéticos demonstram maior quantidade de material defeituoso, que pode provocar a infertilidade masculina, problemas de gestação e abortos espontâneos, principalmente quando o paciente não sabe que está diabético”, diz a doutora Silvana.

Segundo a médica, o aumento da doença no Brasil tem preocupado os especialistas. “O diabético costuma apresentar uma significante redução no volume de sêmen. Em cada seis casais em que um dos cônjuges é portador de diabetes tipo 2, pelo menos um precisa recorrer a um especialista para engravidar. Sem mencionar outros fatores que podem contribuir negativamente, como o consumo de álcool e fumo”.