, ,

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

Esta é uma técnica de fertilização in vitro na qual cada espermatozóide é criteriosamente selecionado com o auxílio de um poderoso microscópio que tem grande precisão (equipamento para micromanipulação), e depois injetado com uma micropipeta dentro de cada óvulo maduro. O processo é realizado no laboratório no dia da captação dos óvulos. Quando o ICSI é recomendado?

Este procedimento é indicado principalmente quando há infertilidade por fator masculino severo (mínima quantidade de espermatozóides), condição que pode requerer a coleta direta dos espermatozóides dos testículos ou epidídimos, ou casais que tenham tido baixas taxas de fertilização em FIVs anteriores.

A técnica foi desenvolvida na Bélgica e a Dra Silvana Chedid participou da equipe envolvida nesse grande avanço durante sua especialização na Universidade Livre de Bruxelas.

Existem algumas técnicas de coleta dos espermatozóides dos epidídimos e dos testículos. A coleta pode ser feita por punção percutânea, biópsia ou microcirurgia dos testículos nos casos dos homens azoospérmicos (que tem ausência total de espermatozoides). Na maior parte dos casos porém, quando há espermatozoides presentes no ejaculado, mesmo que em quantidade reduzida, esses procedimentos não são necessários, fazendo-se a coleta por masturbação da mesma maneira que a coleta para inseminação. Leia mais sobre ICSI

Todo o resto do processo é igual ao da fertilização in vitro. A diferença é no modo de fertilização (micromanipulação dos gametas no laboratório).