,

Ovários impressos em 3D

Roedores dão à luz com ovários impressos em 3D

Depois de extrair os ovários de camundongos fêmeas inférteis, implantando em seu lugar uma prótese feita em impressora 3D, um grupo de cientistas conseguiu fazer com que os animais dessem à luz filhotes saudáveis e férteis.

De acordo com os autores do estudo, publicado neste mês na revista Nature Communications, o objetivo do projeto é desenvolver ovários bioprotéticos que possam ajudar a restaurar a fertilidade e a produção de hormônios em mulheres que passaram por tratamento de câncer ou que tenham falência ovariana prematura (menopausa precoce).

O grupo liderado por cientistas da Universidade do Noroeste, em Chicago (Estados Unidos), produziu os ovários sintéticos montados na impressora 3D, uma engenhosa estrutura feita de hidrogel.

Depois de implantada na cavidade do ovário extraído, a estrutura impressa recebeu dezenas de folículos, pequenas bolsas que contêm os ovócitos, ou óvulos imaturos. Os folículos puderam aderir ao ovário sintético graças à sua estrutura porosa.

Segundo os cientistas, nos camundongos que tiveram o ovário cirurgicamente removido, os implantes foram capazes de reter com eficiência o folículo implantado e, em uma semana, o ovário sintético já estava vascularizado.
Com o desenvolvimento completo dos folículos garantido pela prótese, os óvulos foram naturalmente liberados pelos poros construídos na estrutura de hidrogel, como acontece em uma ovulação natural.

Depois de ovular, sete camundongos fêmea com os ovários sintéticos foram então fecundados naturalmente. Três deles recuperaram a fertilidade e deram à luz filhotes.

De acordo com os cientistas, a quimioterapia e as altas doses de radiação utilizadas no tratamento do câncer pode destruir os ovócitos humanos, levando ao risco de infertilidade e de menopausa precoce. Embora seja possível restaurar a fertilidade dessas mulheres, um implante ajudaria as que não tiveram o tecido do ovário congelado e estocado durante a infância.

Os cientistas alertam que apesar de ser fisiologicamente suficiente para permitir uma gravidez, o método por enquanto ainda só é aplicável a camundongos.

, , ,

Microcirurgia reprodutiva

Laqueadura ou ligadura tubária é um método anticoncepcional (método para prevenir a gestação) no qual as tubas (ou trompas) são cirurgicamente amarradas, cortadas ou queimadas para prevenir a passagem dos óvulos dos ovários para o útero.

Reanastomose tubária ou reversão de laqueadura tubária é uma cirurgia na qual se retira a parte danificada das trompas, desobstruindo a passagem no interior das trompas e restabelecendo com isto a fertilidade da paciente.

Esta cirurgia pode ser uma opção para as mulheres que, por várias razões, desejam engravidar novamente após serem submetidas a laqueadura tubária.

Qual a chance de sucesso?

O sucesso desta cirurgia depende de vários fatores:

– O comprimento e a vitalidade dos segmentos de trompas a serem unidos;
– A habilidade do micro-cirurgião (cirurgião com experiência em micro-cirurgia);
– A idade da mulher no momento da cirurgia para reversão;
– O método utilizado para laqueadura tubária;
– Quantidade de tecido de cicatrização na região da cirurgia;
– Qualidade do espermograma do parceiro e presença de outros fatores de infertilidade.

A obtenção de permeabilidade tubária, ou seja, desobstrução das trompas gira em torno de 70% a 80%. Entretanto, nem todas estas mulheres conseguem engravidar, pois o funcionamento das trompas pode não estar adequado ou podem existir outros fatores que dificultem a gestação. As taxas de gestação após reanastomose tubária são de 50 a 60%.

O que a cirurgia envolve?

Esta cirurgia pode ser realizada por laparotomia (cirurgia tradicional com um corte transversal logo abaixo da linha dos pêlos pubianos, semelhante ao de uma cesárea) ou por laparoscopia. Geralmente, é realizada dentro de 2 a 3 horas, com anestesia geral. Mesmo quando se opta pela cirurgia tradicional, é realizada uma laparoscopia antes da cirurgia para avaliar a possibilidade de realização da reanastomose. Se for possível, pode-se usar um microscópio ou lupa para melhor visualização no momento de conectar as pequenas partes das trompas. São usados fios extremamente delicados para unir estas partes.
Normalmente a paciente pode ir para casa após um ou dois dias de internação. Após a cirurgia, o médico vai prescrever medicação para dor e outras instruções específicas de acordo com a necessidade. A maioria das pacientes retorna às suas atividades normais dentro de 2 semanas.

Quais são os riscos?

Os riscos são raros, mas como em qualquer cirurgia, incluem um potencial risco de complicações anestésicas e infecção. Após uma reversão de laqueadura tubária, o risco de uma gestação ectópica (gestação que ocorre na própria trompa) aumenta em cinco vezes, atingindo taxas de até 5% dosa casos.

Você é candidata para esta cirurgia (Reversão de laqueadura tubária)?

Você é candidata a cirurgia se não existir nenhuma contra-indicação médica para sua gestação, se as condições de sua trompa forem adequadas para serem unidas e o espermograma do marido (parceiro) for normal. Lembre-se de que as chances de sucesso diminuem com o passar da idade.

O que é necessário antes da cirurgia?

História médica e exame físico;
Espermograma do marido (parceiro);
Histerosalpingografia (Raio-X que mostra o útero e trompas).
Podem se requisitados exames adicionais conforme cada caso em especial

, ,

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

ICSI – INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDE

Esta é uma técnica de fertilização in vitro na qual cada espermatozóide é criteriosamente selecionado com o auxílio de um poderoso microscópio que tem grande precisão (equipamento para micromanipulação), e depois injetado com uma micropipeta dentro de cada óvulo maduro. O processo é realizado no laboratório no dia da captação dos óvulos. Quando o ICSI é recomendado?

Este procedimento é indicado principalmente quando há infertilidade por fator masculino severo (mínima quantidade de espermatozóides), condição que pode requerer a coleta direta dos espermatozóides dos testículos ou epidídimos, ou casais que tenham tido baixas taxas de fertilização em FIVs anteriores.

A técnica foi desenvolvida na Bélgica e a Dra Silvana Chedid participou da equipe envolvida nesse grande avanço durante sua especialização na Universidade Livre de Bruxelas.

Existem algumas técnicas de coleta dos espermatozóides dos epidídimos e dos testículos. A coleta pode ser feita por punção percutânea, biópsia ou microcirurgia dos testículos nos casos dos homens azoospérmicos (que tem ausência total de espermatozoides). Na maior parte dos casos porém, quando há espermatozoides presentes no ejaculado, mesmo que em quantidade reduzida, esses procedimentos não são necessários, fazendo-se a coleta por masturbação da mesma maneira que a coleta para inseminação. Leia mais sobre ICSI

Todo o resto do processo é igual ao da fertilização in vitro. A diferença é no modo de fertilização (micromanipulação dos gametas no laboratório).

, ,

Endometriose: diagnóstico precoce e atenção multidisciplinar são fundamentais

O tratamento da endometriose depende de alguns fatores: estágio da doença, local onde a endometriose se instalou, sintomas e desejo de engravidar

A endometriose afeta cerca de seis milhões de brasileiras. Trata-se do crescimento, fora do útero, do endométrio – tecido que recobre a superfície interna do útero. Em estágios avançados, a doença chega a ser bastante incapacitante.

Sendo assim, diagnóstico precoce e atendimento multidisciplinar são requisitos fundamentais para melhor abordagem terapêutica. O tecido endometrial pode crescer na cavidade pélvica e infiltrar ovários (endometriomas), trompas, regiões retrocervical e retrouterina (posteriores ao colo e corpo do útero), vagina, intestino, bexiga e parede abdominal.

O endométrio que está fora da cavidade uterina também é sujeito aos efeitos hormonais ao longo do ciclo menstrual, podendo provocar alterações inflamatórias nesses locais e promover aderências entre os órgãos, além de cólicas menstruais, dor pélvica e dor à relação sexual. A endometriose tem tratamento e quanto mais cedo for iniciado melhor o prognóstico reprodutivo da mulher

, ,

Menopausa precoce: veja principais sintomas e causas

Falência dos ovários pode acontecer mais cedo do que o habitual.

Irregularidade menstrual, ondas de calor, diminuição da libido, secura vaginal, alterações de humor e infertilidade são alguns sintomas conhecidos da menopausa. Mas, quando esses mesmos sinais acontecem antes dos 45 anos de idade, pode ser indício de um quadro chamado de menopausa precoce, um problema para mulheres que ainda pretendem engravidar. Para esta recomenda-se a fertilização in vitro com óvulos doados, procedimento legal e com excelentes resultados.
Algumas mulheres só passam a se preocupar com isso quando param de tomar anticoncepcional e tentam engravidar, porém, o uso deste contraceptivo pode mascarar o problema.
Podemos listar entre as principais causas do problema: doenças autoimunes, como tireoidite de Hashimoto, tabagismo, remoção cirúrgica ovariana (em casos de canceres do sistema reprodutor feminino), tratamento contra o câncer a base de quimioterapia ou radioterapia, defeitos de cromossomos (síndrome de Turner e síndrome do cromossomo X frágil) e pacientes que têm contato recorrente com pesticidas.

O tratamento deve ser individualizado em cada paciente, avaliando sempre os fatores de risco da reposição hormonal. Em caso de aparecimento dos sintomas citados, procure seu ginecologista.

Para as mulheres que pretendem engravidar, se os exames mostrarem que ainda existem óvulos, há a possibilidade de induzir a ovulação com medicamentos. Caso a paciente não pretenda ter um filho naquele momento, uma solução é o congelamento de óvulos.

, ,

Dra Silvana Chedid alerta que Clamídia pode causar infertilidade em homens e mulheres

A prática sexual sem o uso do preservativo pode ser um risco para a fertilidade. A bactéria Clamídia causa uma doença sexualmente transmissível (DST) que na maior parte das vezes age sem provocar sintomas e que pode afetar a fertilidade futura, prejudicando a capacidade reprodutiva de homens e mulheres.

Atualmente, a Clamídia é responsável por, aproximadamente, 15% dos casos de infertilidade feminina e 10% dos casos de infertilidade masculina, segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Além de provocar a infertilidade a Clamídia está associada a outros possíveis problemas gestacionais, como aborto, a morte do feto ainda no útero da mãe (natimorto) e infecção intrauterina. O diagnóstico pode ser feito através da consulta de rotina ao ginecologistas, associada à coleta de exame de secreção vaginal para identificação dessa bactéria. O tratamento consiste no uso de antibiótico prescrito pelo médico para a mulher e para seu parceiro.

,

Casais Sorodiscordantes

 

Sabemos que o vírus do HIV tem alta prevalência em casais em idade reprodutiva e muitos desses casais são soro discordantes, ou seja, um deles é portador do vírus e ou outro não. Nesses casos, para terem seus filhos livres de contaminação pelo vírus, esses casais precisarão de auxílio e tratamento.

No caso da mulher, o tratamento deverá ser feito associado ao uso de um antirretroviral durante toda a gestação. Já quando o homem é soropositivo, é possível lançar mão de tecnologias de lavagem e preparo do sêmen que separam os espermatozoides do vírus, esclarece a Dra Silvana Chedid, diretora da clínica Chedid Grieco de Medicina Reprodutiva

,

Medicina Reprodutiva evoluiu e amplia possibilidades para pacientes soropositivos, homossexuais e portadores de doenças como o câncer

por Silvana Chedid

 

De acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, todos os homens e mulheres têm o direito de constituir uma família, sejam eles casados ou solteiros, heterossexuais ou homossexuais. A Constituição brasileira também coloca o planejamento familiar como livre decisão do indivíduo ou casal.

Desde que comecei a trabalhar com reprodução assistida – há mais de 20 anos – tive oportunidade de ajudar algumas mulheres que optaram pela maternidade, mesmo sem ter um companheiro estável para compartilhar as dúvidas e emoções da gestação. Gostaria de ter ajudado mais casais de homossexuais a realizar o mesmo sonho. Nos últimos anos, esse panorama tem mudado e, com os recursos dos quais dispomos hoje, temos várias opções de ajuda. Sem dúvida, a explicação para o número ainda pequeno de homossexuais que procuram tratamento para ter filhos está no preconceito que ainda existe em nosso país contra tudo o que não é convencional.

Outra situação que era rara e hoje tem aparecido com frequência cada vez maior é a questão dos casais sorodiscordantes, ou seja, em que um dos cônjuges é soropositivo (HIV+) e o outro não.

Até o final da década de 80, quem tinha o vírus do HIV não tinha chances de cura e um número enorme de homens e mulheres jovens morreu por consequência da doença. Com o advento das drogas antirretrovirais que, quando combinadas, mostraram-se extremamente eficazes no controle da doença, os pacientes soropositivos tiveram sua expectativa de vida bastante aumentada.

A maior incidência do HIV concentra-se justamente em pessoas em idade reprodutiva que, com a nova expectativa de vida, resolveram ter filhos. Graças aos avanços da Medicina Reprodutiva, hoje é possível ajudar casais homossexuais, mulheres solteiras, pacientes soropositivos e pessoas que sofreram de doenças como câncer, endometriose severa ou doenças autoimunes a realizarem o sonho de terem filhos.

No caso de pacientes soropositivos, é possível utilizarmos técnicas e procedimentos que permitem que o bebênasça sem o vírus. Quando se trata de um homem portador do vírus, o processo de lavagem do sêmen, que diminui a carga viral do esperma, possibilita às mulheres soronegativas de homens soropositivos gerarem, a partir do espermatozoide do marido, filhos sem o vírus. A técnica consiste na eliminação do plasma seminal (líquido que “protege” os espermatozoides e que é eliminado na ejaculação), na seleção dos espermatozoides com maior mobilidade e com formato normal e na injeção do espermatozoide diretamente dentro do óvulo. Essa técnica, conhecida como ICSI (intracitoplasmic sperm injection ou injeção intracitoplasmática de espermatozoide) permite que apenas um espermatozoide entre em contato com o óvulo. Ao contrário da inseminação intra uterina, em que devem ser inseridos no utero ao menos cinco milhões de espermatozoides, com a técnica de ICSI o risco de transmissão do vírus é desprezível. Não há relatos de crianças soropositivas nascidas de mães que se submeteram a esse tipo tratamento.

Quando a mulher é soropositiva pode ser realizada a inseminação intra uterina ou a fertilização in vitro, para se evitar o contato sexual do casal. A decisão por uma ou outra técnica caberá ao medico especialista, dependendo da avaliação do casal. Durante a gestação a mulher deverá continuar com o tratamento para que o bebê não seja contaminado por via placentária.

Vale lembrar que, no caso do HIV, tanto o homem quanto a mulher que desejam se submeter a tratamentos como estes devem estar em dia com a administração dos antirretrovirais, ter os níveis de carga viral indetectável e, ainda, um acompanhamento médico especializado e rigoroso.

 

Dra. Silvana Chedid é diretora da Clínica Chedid Grieco de Medicina Reprodutiva, Doutora em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP e ginecologista especialista em Reprodução Humana pela Universidade Livre de Bruxelas

,

Embrioscopia

A embrioscopia, é um procedimento que possibilita a identificação dos melhores embriões, aqueles com maior probabilidade de implantação.

A técnica consiste no uso de uma incubadora, conhecida como embrioscópio, que foi desenvolvida com base nas incubadoras convencionais já utilizadas nos laboratórios de fertilização in vitro e que integra um sistema de captura de imagens que possibilita o acesso a informações detalhadas e objetivas a respeito de cada embrião. “Esse equipamento nos permite observar o embrião minuto a minuto, desde o momento da fecundação in vitro até a transferência ao útero – o que, antigamente, era impossível de se imaginar”, comenta a Dra. Silvana Chedid.

De acordo com a doutora, esta tecnologia é aplicável a qualquer tipo de paciente submetida a um tratamento de reprodução assistida, mas os resultados dependerão da quantidade de embriões gerados pela paciente. De acordo com a quantidade, a possibilidade de seleção pode ser maior ou menor.

 

MODELO 3D PODE REVOLUCIONAR A MEDICINA REPRODUTIVA

Os cientistas da Northwestern University usaram culturas de tecido

para criar um modelo 3D em miniatura do trato reprodutivo feminino:
ovários, trompas e útero conectados para imitar as funções de um ciclo
menstrual de 28 dias. Essa simulação descrita em uma pesquisa
publicada na Nature Communications, está envolta em plástico e é
formada, essencialmente, por células menstruais em uma placa de petri.

Esse estudo foi parte de um esforço mais amplo liderado pelo National
Institute of Health para recriar o corpo humano inteiro em um “chip”.
Em 2014, o NIH forneceu US$ 17 milhões para organizações fazerem
pesquisa com chips de tecidos. Cada vez mais, companhias de
medicamentos estão usando os chips de tecido para testar novas drogas.
Ao replicar muitas das funções dos órgãos humanos em miniatura, em
microchips, os cientistas podem, em teoria, observar mais precisamente
o que acontece nesses órgãos quando expostos a diferentes drogas e
condições ambientais. A curto prazo, pode nos permitir entender muito
sobre a variabilidade do corpo de cada pessoa.
A longo prazo, é um passo em direção à medicina individualizada.

Pequenos tubos são revestidos de células retiradas do órgão em questão
e organizados dentro do chip para imitar algumas das funções-chave
daqueles órgãos. Quando nutrientes, drogas, bactérias ou outros
materiais de teste correm através dos tubos do chip, os cientistas
conseguem observar atentamente como processos celulares específicos
respondem. Em 2015, por exemplo, cientistas da Universidade Estadual
de Michigan usaram um chip para modelar como células endócrinas
secretam hormônios na corrente sanguínea para testar um remédio de
diabetes.

A menstruação em placa de petri, chamada Evatar, parece um conjunto de
cubos ligados por tubos que circulam o fluido entre eles.
Folículos de ovário criados em cultura produziram os hormônios nesse
sistema sintético para regular as funções do tecido. O nosso corpo é
composto de muitas células diferentes, e todas essas células estão se
comunicando. Os cientistas estão basicamente modelando isso para criar
modelos de várias doenças reprodutivas humanas para melhor estudá-las.
Pode também permitir estudar diferenças entre indivíduos no nível
funcional, um dia levando a terapias personalizadas.

Por que, por exemplo, uma combinação de drogas resulta em uma
fertilização in vitro com sucesso para uma mulher e para outra não?
Por que certas mulheres são mais suscetíveis ao câncer nos ovários? Os
cientistas não oferecem muitas respostas para essas questões. Órgãos
em um chip podem dar um entendimento mais detalhado do sistema
reprodutivo feminino e de suas doenças, assim como eventualmente
propor tratamentos personalizados projetados para refletir a biologia
individual de cada mulher.

O próximo passo é melhorar o modelo do sistema reprodutivo feminino e desenvolver uma versão masculina.