Biópsia de blastocistos

A biópsia de blastocistos está se tornando bem mais acessível devido aos avanços nos sistemas de cultura que permitem atingir mais facilmente o estágio de blastocisto³.

A biópsia do embrião no estágio de blastocisto permite a retirada de uma quantidade de células relativamente grande. O DNA (material genético) destes blastocistos pode ser analisado e várias mutações podem ser detectadas por técnicas de PCR (Reação em Cadeia de Polimerase).

As vantagens são:

a)Alto grau de viabilidade devido à seleção natural dos embriões.

b)Dificuldade técnica de se retirar células que estão aderidas umas às outras.

c)Necessidade de se manter os embriões em cultura por mais 2 ou 3 dias. A experiência com biópsia de blastocistos ainda é inicial e não se dispõe de dados suficientes para se retirar conclusões consistentes.

1. Verlinsky, Y.; Cieslak, J.; Ivakhnenko, V; Lifchez, A.; Strom, C.; Kuliev, A. Birth of healthy childre after preimplantation diagnosis of common aneuplodies by polar body FISH analysis. Fertil. Steril. 1996;66:126-9.
2. Verlinsky, Y.; Handside, A.; Grifo, J.; Munne, S.; Cohen, J. et al. Preimplantation diagnosis of genetic and chromossomal disorders. J. Assis. Reprod. Gen. 1994; 11 (5): 236-43.
3. carson, S.A.; Gentry, W.L.; Smith, A.L.; Buster, J.E. Trophectoderm microbiopsy in murine blastocysts: comparison of four methods. Assist. Genet. 1993; 10:427-33.